Minha foto
Brazil
Divulgador das palavras do Ministério através dos escritos dos irmãos W. Nee e W. Lee aos buscadores pela verdade da Bíblia

sábado, 23 de novembro de 2013

Mensagem 4 OS PUROS DE CORAÇÃO

CONFESSAR OS PECADOS E PEDIR ILUMINAÇÃO

LIDAR COM OS PECADOS INTERIORES E EXTERIORES


Depois de salva, se uma pessoa deseja progredir na vida divina, deve cuidadosamente lançar fora todo o fermento. Isso quer dizer que deve lidar com toda situação inadequada aos olhos do Senhor e todo assunto que Ele condena. Todavia não deve somente lidar com as coisas exteriores, mas confessar ao Senhor todos os pecados, do mais profundo de seu ser.

O homem sempre tem mais problemas interiores do que exteriores. Ele pode ter muitos problemas exteriores que são reprováveis, mas os problemas interiores e o mal interior os excedem em muito. Seus problemas exteriores estão relacionados somente com o comportamento, mas os problemas interiores estão relacionados com a mente, a opinião e ainda mais com o ego. É possível uma pessoa estar errada interiormente, mas não exteriormente. Isso significa que pode estar cheia de pecados por dentro, ainda que não se comporte de maneira pecaminosa por fora. No homem há pecado, iniquidade e trevas, mas exteriormente pode ser que essas coisas não sejam expressas de modo algum. Portanto, se uma pessoa quer crescer em vida depois de salva, deve lidar com os pecados exteriores e com as coisas impróprias, mas deve ir ao Senhor continuamente para lidar com sua verdadeira condição interior. Quando Deus lida conosco e nos limpa, Seu foco está em nosso ser interior.

Uma pessoa pode parecer correta por fora, mas por dentro pode estar errada e ser injusta. Nos evangelhos o Senhor repreendeu os fariseus, dizendo: "Sois semelhantes a sepulcros caiados, que por fora se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia" (Mt 23:27). Isso significa que algumas pessoas são como "sepulcros caiados". Aparentam estar bem por fora, mas não querem que os outros conheçam sua real condição interior, e não permitiriam que vissem a imundícia em seu interior. Grande parte do procedimento do homem é condenável, mas seu mal interior merece muito maior condenação. A necessidade interior do homem é muito maior do que a exterior. Muitas vezes, depois que uma pessoa é salva, exteriormente falando, ela é muito boa e quase irrepreensível, mas, dois ou três anos mais tarde, ainda não há muito progresso na vida interior. Isso é porque seu problema não é exterior, mas interior. Seu comportamento está correto, ainda que seu ser interior esteja errado. A maior parte de nosso comportamento ocorre diante dos homens, mas nosso ser interior está diante de Deus. O homem não deve somente confessar os pecados exteriores perante Deus, mas, ainda mais, deve confessar os pecados interiores. Quando Deus brilha em nós, não o faz apenas em nosso comportamento, mas em nosso ser.

SER ILUMINADO POR DEUS PARA CONFESSAR OS PECADOS
Alguns foram salvos há muito tempo, ainda que nunca tenham tido um momento de confissão diante de Deus. Todos confessamos que o Senhor Jesus é nosso Salvador, mas pode ser que até hoje não tenhamos confessado nossos pecados interiores perante Deus. Alguns podem dizer que não se sentem pecadores. É claro, essa palavra não é falsa; uma pessoa pode estar cheia de pecados, mas não ter consciência de que é pecadora. De acordo com o fato, ela está cheia de pecados; mas de acordo com o sentimento, não sente que seja pecadora. Diante de Deus ela está cheia de pecados, mas no sentimento próprio não há nenhuma percepção de pecado.

Certo dia em Xangai, quando entrei no escritório da igreja, todos riram de mim quando me viram. Perguntei o que estava acontecendo. Então um irmão me levou a um espelho e vi que eu estava sujo, mas não sabia em que momento havia me sujado e não tinha nenhum sentimento sobre isso. Na verdade, eu me sujei, mas de acordo com meu sentimento eu ainda estava limpo. Muitos são assim diante de Deus, estão cheios de sujeira, mas ainda sentem que estão bem. O sentimento subjetivo está muito além do fato. Há muitos exemplos sobre isso na Bíblia. Antes de encontrar Deus, uma pessoa se considera boa, mas, uma vez que toca em Deus, logo percebe que está errada. Por que isso ocorre? Porque Deus é luz, e Deus é como um espelho. Todos os que vêem a luz surpreendem-se com tantos pecados que têm diante de Deus. A razão por que uma pessoa não enxerga nada, nem o próprio nariz, também está relacionada com a luz. Por exemplo, se uma casa está escura e não há luz, mesmo que esteja cheia de sujeira, ninguém vai perceber isso. No entanto, quando um raio de luz entra na casa, podemos vê-la claramente. Se a luz for forte o bastante, veremos até mesmo a poeira. As bactérias podem ser vistas claramente em um microscópio; não podem deixar de ser vistas. Muitos médicos dizem que debaixo de uma luz bem forte e um poderoso microscópio, tudo que uma pessoa vê parece sujo.

Todos são pecadores diante de Deus, mas nem todos podem ver que são pecadores. No Antigo Testamento, uma vez que uma pessoa ia a Deus, logo sentia que era pecadora. Quando o profeta Isaías foi iluminado, imediatamente percebeu que era impuro. Quando os serafins no céu diziam: "Santo, santo, santo", Isaías disse: ''Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios" (Is 6:3, 5). Há pelo menos quatro coisas impuras em nós: o lábio superior, o lábio inferior, a língua e a garganta. Alguns talvez digam: "Não é verdade, meus lábios, minha língua e minha garganta são puros". No entanto no dia em que formos de fato iluminados por Deus, veremos que não há nenhuma outra parte de nosso corpo que peque mais do que os lábios.

Não importa quem seja a pessoa, uma vez que Deus vai a ela, ela confessa os pecados. Até mesmo duas horas não será tempo suficiente para confessá-los todos. Mesmo que não saibamos quantos pecados nossos lábios e língua cometeram, sabemos que dissemos coisas que não deveríamos ter dito e que nosso falar está sempre misturado com maldade e malícia. Uma vez que o lábio de uma pessoa seja limpo, ela será uma pessoa limpa. Mesmo hoje, quais lábios não pecaram desde a manhã até agora? Alguns podem dizer que são justos e não têm pecados. Contudo, quando alguém realmente tocar em Deus, verá que não tem somente alguns pecados individuais, mas pilhas e pilhas deles. Depois de confessar alguns dos pecados, ele ainda terá mais a confessar. Na verdade, sempre haverá mais a confessar.

Um de meus contatos no evangelho me disse que, antes de ser salvo, achava que era um perfeito cavalheiro. Também admiti que seu tempera-mento era de um cavalheiro justo. Certo dia, porém, ele ficou doente e começou a sofrer várias enfermidades: pressão alta, doença cardíaca, doença pulmonar e assim por diante. Ele ficou internado por muito tempo, pois não havia se recuperado. Um dia ele ficou muito desesperado e, enquanto estava deitado, começou a considerar que tipo de pessoa ele era. Quanto mais pensava sobre si, mais se achava bom; quanto mais se avaliava, ainda achava que era bom. Nesse momento, todavia, ele viu uma Bíblia a seu lado. Naquele instante ele ainda não havia crido em Jesus e desconhecia o significado da salvação. Ele abriu a Bíblia, leu um pouco e de repente descobriu que algo estava errado em seu ser - algo que nunca tinha achado antes. Percebeu que tinha um pensamento que não era correto, e o confessou diante de Deus. Logo após ter confessado esse pecado, veio um segundo sentimento, fazendo com que ele confessasse um segundo pecado. Então veio também um terceiro sentimento, e ele confessou o terceiro, o quarto e o quinto pecado. Ele confessou os pecados dessa forma até que, por fim, perdeu a conta de quantos pecados havia confessado. Depois de certo tempo sentiu que, porque tinha muitos pecados, não deveria confessá-los deitado na cama, então levantou e se prostrou em frente à cama. Depois que confessou mais pecados, ele tirou as mãos da cama e se prostrou inteiramente no chão, chorando e confessando ao mesmo tempo. Por pelo menos três horas, ele sentiu que, quanto mais confessava, mais tinha para confessar. Ele antes não sentia que estava errado, mas naquele dia seu sentimento foi totalmente diferente. No começo sentia que só estava um pouco errado. Mas após ter feito uma confissão, veio outro pecado; após ter feito outra confissão, veio o terceiro. Isso continuou até que ele se esqueceu do tempo - por um lado confessando e por outro chorando. Embora fosse um homem bem forte e realizado em sua carreira, ele foi salvo! Sua salvação não foi genérica ou vaga, mas nela ele confessou todos os pecados. Lucas 5 registra a história de Pedro. Originalmente Pedro não percebia que era pecador, mas, quando o Senhor resplandeceu sobre ele, ele logo disse: "Retira-te de mim, Senhor, porque sou homem pecador" (v. 8). No Antigo Testamento Jó também era alguém que não percebia seus pecados até que Deus resplandeceu sobre ele. Seus três amigos lhe disseram que ele devia ter pecado diante de Deus, mas Jó não concordou e queria discutir com Deus para ver onde estavam seus pecados (Jó 5-6). Isso mostra que Jó estava em trevas; ele nunca tinha tocado em Deus ou visto a luz. No entanto, no final do livro de Jó, vemos que ele encontrou Deus e lhe disse: "Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem. Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza" (42:5-6). Por que ele se arrependeu? Porque viu sua impureza. Todos somos sujos e impuros diante de Deus. Quem toca em Deus vê sua imundície, e alguém que é iluminado por Deus percebe sua impureza. Mas quem nunca tocou em Deus ou viu a luz, embora seja imundo e sujo, não tem nenhuma sensação de imundície. Toda vez que uma pessoa tocar em Deus, verá que é cheia de pecados e que é uma constituição de pecado.

Há mais de mil e quinhentos anos havia um homem chamado Agostinho. Quando era jovem., ele tinha um viver libertino. Sua mãe amava o Senhor ardentemente e sempre orava por seu filho. Um dia Agostinho teve um sentimento e se perguntou por que vivia libertinamente e não se voltava a Deus. Naquele momento ele se arrependeu. Para sua surpresa, naquele dia ele descobriu que quanto mais confessava seus pecados, mais pecados possuía. Parecia que antes de começar a confessar não havia muito pecado, mas quanto mais confessava, os pecados se tornavam mais sérios e abundantes. Mais tarde escreveu um livro chamado Confissões, no qual descreve sua experiência de confissão. Ele confessou seus pecados até o ponto de dizer algo como: "Mesmo o lamento em minha confissão precisa ser perdoado por Deus; mesmo as lágrimas que derramo por causa de meus pecados precisam. ser lavadas com o precioso sangue". Você consegue imaginar até que ponto essa pessoa confessou? Embora tivesse confessado tudo, ainda sentia que até mesmo o lamento em sua confissão precisava ser perdoado pelo Senhor.

Uma pessoa que está diante de Deus e Nele toca deve ver que é pecadora. Quanto mais confessa os pecados, mais sente sua imundície; quanto mais sente sua imundície, mais se achega a Deus; e quanto mais se achega a Deus, mais se dá conta de que é pecadora. Todos os salvos, desde o momento em que Deus os conduz a andar nesse caminho, têm de passar por essa experiência. Desde que fomos salvos até hoje, acaso já tivemos uma confissão cabal diante de Deus? Essa pergunta é muito séria. Muitos não têm nenhum problema com a salvação, mas é questionável se já tiveram uma confissão cabal.

A primeira vez que confessei meus pecados completamente depois que fui salvo não foi somente por uma ou duas horas, mas por longo tempo. Fui iluminado por Deus a tal ponto que mesmo ficar sentado me fazia sentir-me culpado. Parecia que se eu dissesse sim, eu pecava, e se dissesse não, também pecava. Todos nascemos impuros. Cada um de nossos pensamentos e intenções é impuro. Quando um bebê nasce e começa a produzir sons, sua boca é muito pura. Pouco a pouco, porém, ao aprender a falar, ela não é mais pura. Depois que entra na escola, quando você lhe pergunta algo, ele desvia os olhos. Então, quando ele fala, você sabe que seu falar tem segundas intenções. Toda palavra falada com segundas intenções é impura.

De 1931 até agora, tenho confessado meus pecados quase todos os dias. Certa vez fiquei bastante chateado com certa questão e fui confessar diante de Deus. No final de meu período de confissão vieram-me duas frases que nunca ouvi antes. Como resposta orei: "ó Deus, perante Ti não sou apenas imundo, sou basicamente um monte de lixo. Não é somente que eu era uma pessoa limpa que foi contaminada e se tornou impura; não é só isso, Senhor; sou um ser constituído de impureza. ó Deus, não sou somente falso, mas todo o meu ser é constituído de falsidade". Fui iluminado por Deus a ponto de perceber que sou a constituição da impureza e da falsidade. Foram essas duas frases que me iluminaram. Não somos apenas pecadores, mas somos a constituição do pecado. Quando Deus nos ilumina, logo vemos nossa podridão e maldade. Se não temos permitido que Deus nos ilumine, não temos andado ou progredido nem mesmo um passo diante Dele. Quando Deus quer que andemos um passo adiante, primeiro deve nos iluminar e limpar. Toda e qualquer pessoa que não tenha sido totalmente iluminada, não importa há quanto tempo seja salva, quanta doutrina entenda ou quão profundamente conheça a Bíblia, embora seja salva, nunca deu um passo no caminho de Deus. O primeiro passo de Deus ao nos iluminar é sempre nos limpar por completo.

AS CONDIÇÕES NAS QUAIS UMA PESSOA É ILUMINADA
As pessoas podem estar em várias condições quando são iluminadas por Deus. Algumas não têm o coração atraído pelo Senhor depois de salvas. Por isso, quando estão felizes, participam das reuniões e oram; quando estão deprimidas, não se reúnem nem oram. Muitas vezes, porém, quando caminham na rua ou estudam, de repente têm um sentimento de que devem ir a Deus e orar. Uma vez que oram, logo sentem que são pecadoras e, quanto mais confessam, mais descobrem que estão cheias de pecado. Dessa forma, são reavivadas pelo Senhor e muitos talvez indaguem o que aconteceu com elas. Uma vez iluminadas por dentro e despertadas pelo Senhor, logo dão o primeiro passo: arrependem-se, confessam o pecado, purificam-se e começam a ler a Bíblia. Quanto mais leem a Bíblia, mais ficam cheias de luz. Como resultado, adoram pregar o evangelho. No começo pessoas assim não tinham um coração voltado para Deus, mas foram escolhidas e iluminadas por Ele.

Há outro tipo de pessoa, cuja condição interior fica exposta quando ouve uma mensagem. Nesse momento ela faz uma confissão cabal e fica cheia de frescor. Outra pode ser atraída ao ouvir o testemunho de alguém. Como resultado, ela vai a Deus para pedir que Ele resplandeça. Por fim, ela é iluminada por Deus e faz uma confissão cabal. Outro tipo de pessoa, após ter comunhão com os irmãos, sente que deve ir a Deus e ser iluminada por Ele. Como resultado, também recebe o resplandecer e assim confessa os pecados cabalmente. Há ainda outro tipo de pessoa, que tem o sentimento de que é pecadora quando está numa reunião de oração, com um pequeno ou grande número de pessoas. Quando obtém o sentimento, ela confessa cabalmente e também recebe o resplandecer. Outro tipo de pessoa pode ouvir uma exortação e perceber que, para progredir em vida, um cristão deve confessar cabalmente os pecados. Como resultado, ela ora: "ó Deus, oro para que resplandeças em mim e perdoes todos os meus pecados". Ela ora dessa maneira um ou dois dias, e ao terceiro dia, Deus de fato resplandece sobre ela. Por fim, há certo tipo de pessoa que ora e Deus aos poucos lhe mostra que ela é pecadora.

Determinação expressa nossa busca diante de Deus. Assim, todos devemos voltar-nos a Deus e Lhe dizer: "Ó Deus, preciso de Teu brilhar. Então peço que resplandeças em mim e mostres meus pecados. Sei que há um principio aqui: Se não sou iluminado e meus pecados não são expostos, não há como crescer em vida". A esse tipo de oração Deus está bem disposto a responder e irá responder prontamente.

Outra classe de pessoa pode ser iluminada quando pede algo a Deus. Deus não lhe dá, mas em vez disso lhe mostra que ela está errada. Essa situação é comum entre as crianças. Uma criança pode ir até o pai, estender as mãozinhas e dizer de maneira animada: "Papai, me dá um doce". Então o pai dirá: "Olhe suas mãos; elas estão muito sujas. Vá lavá-las". Então a criança pode lavar a mão e pedir um doce novamente. O pai então pode tirar um espelho e pedir que ela olhe seu rosto sujo, e a criança vai lavar o rosto. Após lavar o rosto, ela pode pedir o doce de novo. Então o pai vai mostrar-lhe que seu pescoço e roupas estão sujos. Finalmente, após lavar o pescoço e trocar de roupa, todo o seu ser fica limpo. O mesmo acontece com as pessoas quando vão orar a Deus; pedem a Ele isso e aquilo. Deus não somente não responde, mas também lhes mostra como estão impuras. Só assim saberão o que é seguir a Deus, abandonar o mundo e rejeitar o pecado. Só então elas terão um começo na vida espiritual.

Se uma pessoa não tem a experiência de ser iluminada, quando muito vai entender meras doutrinas e nunca terá começado seu caminho espiritual. Ela não terá nenhum ódio para com o pecado nem terá sentimento algum para com a imundície. Permanecerá desse modo até que Deus resplandeça sobre ela e lhe mostre sua condição pecaminosa, levando-a a confessar os pecados. Esse sentimento para com a condição pecaminosa sempre dura alguns anos, e não alguns dias. Além disso, esse sentimento em relação a sua corrupção, malignidade e transgressão irá mantê-la na presença de Deus para que Ele possa brilhar nela e limpá-la.

CONFISSÕES ESPECÍFICAS
Depois do período que inclui os anos de 1931 a 1935, toda vez que eu ia a Deus para pedir algo, essa oração durava apenas dois minutos. Por exemplo, quando eu orava: "ó Deus, por favor, resolve esse problema para mim." Essa oração durava só meio minuto. Antes desse meio minuto, no entanto, eu levava de vinte a trinta minutos para confessar meus pecados. Quando eu via como era pecador, antes de pedir ao Senhor que resolvesse meu problema, confessava meus pecados. Após vinte ou trinta minutos de confissão, eu confessava cabalmente todos os pecados em mim. Como resultado, tinha paz na consciência e não havia barreira entre meu espírito e Deus. Nesse momento eu poderia estar quase face a face com. Ele, dizendo-Lhe com facilidade e intrepidez: "ó Deus, estou limpo pelo precioso sangue de Teu Filho. ó Deus, tenho um problema, e peço que o resolva por mim". Deus, então, logo responderia a esse tipo de oração.

Quando oramos, nem sempre temos clareza nem sabemos a vontade de Deus. No entanto a chave para conhecer Sua vontade é fazer uma confissão cabal dos pecados. Depois de fazer isso, teremos clareza. Qualquer um que é insensível a Deus também é insensível ao pecado. Devemos tentar fazer uma oração simples. Quando estivermos em casa ou andando na rua, devemos dizer: "ó Deus, que Tu brilhes em. mim e exponhas todos os meus pecados". Então um dia, a luz nos alcançará, e sentiremos que estamos errados. Ninguém dirá que estamos errados exteriormente, mas por dentro sentiremos isso. Então iremos a Deus para confessar os erros. Alguém que perceber que ofendeu seus pais irá a Deus e dirá: "ó Deus, no passado ofendi meus pais em certa questão; por favor, perdoa-me". Temos de confessar nossos erros especificamente.

Se uma mulher cometeu vários erros e ofendeu o marido, deve confessar os erros especificamente diante de Deus, relatando as questões em que ofendeu o marido ou os filhos. O mesmo ocorre com o marido. Ele deve confessar cabalmente as questões específicas em que ofendeu a esposa ou a empresa. Além do mais, todas as nossas intenções e pensamentos interiores devem ser confessados um a um. Há uma irmã do ocidente que sempre encoraja as pessoas a confessar os pecados. Um dia ela ouviu alguém orar: "ó Deus, tenho tantos pecados, por favor, perdoa-me". Então ela disse: "Não jogue um grande feixe de pecados sobre o Senhor Jesus. Você deve desfazer o feixe e contar item por item". Esse feixe inclui todas as coisas; você não pode dizer somente a frase: "ó Senhor, sou um grande pecador". Você precisa especificar item por item, dizendo: "Senhor, ofendi meu irmão em determinada questão. Senhor, ofendi meu marido em certa ocasião e ofendi meu filho em determinado momento". Desse modo veremos que nossos pecados são excessivos, e estaremos sob a luz. Hoje as pessoas vivem em trevas e não têm percepção dos pecados; embora os confessem todos os dias, ainda não têm nenhuma percepção deles.

O CAMINHO DA VIDA COMEÇA COM A CONFISSÃO
Aqui está o problema de muitos: Devido à falta de luz, eles não têm sentimento nenhum. Muitas pessoas chegam ao serviço as nove ou nove e trinta da manhã, mesmo que a firma estipule claramente que devem chegar às oito; até quando assinam o ponto, elas indicam que chegaram na hora. Certa vez um irmão me perguntou: "Que devo fazer nessa situação?"- Eu lhe disse: "Se sua empresa exige que você comece as oito e você chegar as nove, deve anotar isso". Isso é ser um cristão de verdade. A situação deplorável é que muitos não têm esse sentimento. O motivo pelo qual eles não têm nenhum sentimento é que lhes falta luz. Não sabemos que o caminho da vida começa com a confissão? Se decidirmos fazer certa coisa e Deus então brilhar sobre nós, não devemos fazê-la; antes, devemos confessar nossos pecados. Após confessar, saberemos o que é pecado.


Havia um empregado de uma escola primária que sempre usava o papel timbrado e os envelopes da escola. Isso não é correto. No entanto, se a escola tiver um regulamento dizendo que todos os papéis timbrados e envelopes também podem ser utilizados para uso pessoal, então ele poderá usá-los; mas, se não há tal regra, é incorreto usá-las. Alguns professores de escola primária pegam giz para seus filhos brincarem, sem ter nenhum sentimento de pecado. Não podemos dizer que esse tipo de pessoa não é salva, mas podemos dizer que não tem o sentimento de pecado. Uma pessoa que confessa seus pecados diante de Deus não será descuidada de maneira alguma. Antes de confessar, poderá ir à casa de outras pessoas e ler o jornal ou abrir as cartas. Mas após sua confissão, terá um sentimento de injustiça quando fizer essas coisas. Isso não é apenas questão de regulamento, mas de injustiça. Quando tivermos esse tipo de sentimento, saberemos qual é o caminho de Cristo. Se queremos crescer em vida, temos de confessar nossos pecados. O caminho da vida começa com a confissão. Muitas pessoas ouviram várias doutrinas, mas nunca deram um passo no caminho da vida; portanto não tem a disciplina ou a restrição do Espírito Santo. Embora não cometam grandes erros, cometem muitos errinhos. Devemos buscar o Senhor por Sua misericórdia, buscar Seu resplandecer e confessar a Ele, para que nossos pecados sejam perdoados.